Gás de cozinha: “É difícil repassarmos o preço para os clientes”, afirma dona de restaurante

Entrou em vigor na terça-feira (09) o reajuste da Petrobras de 5,1% no preço do GLP (gás liquefeito de petróleo). São R$ 0,14 a mais por quilo. Assim, o botijão de 13 quilos passou de R$ 35,98 para R$ 37,79 nas refinarias.

De acordo com a Petrobras, no ano passado o consumo do gás de cozinha aumentou 5,3%, tendo em vista os novos hábitos em decorrência das restrições de mobilidade da pandemia. A política atual de preços da empresa está em vigor desde 2019, e os reajustes se dão por dois fatores: o dólar e a cotação internacional do petróleo, sendo que um influencia o outro.

O preço aumentou das refinarias para as distribuidoras e elas repassam para as revendedoras. Agora o reajuste chega aos clientes e afeta principalmente espaços como restaurantes, em que o gás é imprescindível para a entrega do produto final.

Assim aconteceu com a empresária e chefe de cozinha, Thais Nunes, proprietária do restaurante La Lolla, na região central de Guararema. A cozinheira conta que sentiu o impacto da mudança no hábito do consumidor com as restrições por conta da pandemia e agora sente novamente com o reajuste nos preços do GLP.

 “Nosso abastecimento é feito de 15 em 15 dias, e na última recarga já chegou com um aumento, de 6, 50/kg para 7,00/ kg. É mais um desafio para nós, pois além de já termos sofrido esse aumento semana passada, na próxima recarga o fornecedor diz que provavelmente teremos um segundo aumento.”, afirma Nunes.