Advogado ou testemunha?

Divulgação

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra.” (Atos 1:8)

 

Numa reunião, dois homens tiveram a palavra para expressarem os seus pontos de vista em relação a um determinado assunto em pauta.

O primeiro falou brilhantemente de forma convincente, como um grande advogado que sabe defender a sua causa, as suas ideias a respeito de um assunto diante de um júri ou uma plateia.

O segundo falou com simplicidade e firmeza. Com palavras bem colocadas, como alguém que sabe exatamente o que está falando, como quem viveu as circunstâncias; como uma testemunha dos fatos.

Depois de ouvir esse relato, perguntei para mim mesmo: Como eu tenho falado para as pessoas do Evangelho do Senhor Jesus? Como um advogado ou como uma testemunha?

Podemos ser grandes advogados das causas cristãs sem sermos cristãos. Sem havermos experimentado um relacionamento com o Senhor Jesus. Vamos refletir um pouco sobre isso?

Como temos reagido diante das pessoas?  Como advogados cheios de conhecimentos bíblicos, de mandamentos e leis do Senhor; ou como testemunhas, com experiências pessoais vividas diariamente com o Senhor Jesus e prontas para serem compartilhadas?

O que temos falado para as pessoas com as quais convivemos diariamente? Como tem sido essa experiência para você que está lendo esta coluna?

Como advogados podemos defender todas as causas cristãs sem havê-las experimentado, sem tê-las vivido. Podemos usar muitos argumentos, conhecimentos literários, conhecimentos bíblicos e até causar uma grande impressão nas pessoas que nos ouvem. Mas também corremos o risco de estarmos alheios aos fatos mais importantes da causa. 

O meu convite, leitor, é para que você faça uma autoanálise e identifique em que posição você está. Na posição de um bom advogado ou de uma boa testemunha? Você está pronto para testemunhar de Cristo para as pessoas? Você está pronto para servir no Reino de Deus? O que lhe falta?