Psicóloga fala sobre como melhorar efeitos da ansiedade durante a Covid-19

Em tempos difíceis, é essencial ter cuidado com a saúde mental e os problemas que o isolamento causa

Reprodução

Em meio a quarentena, várias pessoas têm passado muito tempo em casa, e, além disso, tornado ela o seu ambiente de trabalho, já que várias empresas aderiram ao home office, para evitar aglomerações e tomar os devidos cuidados com a saúde. Porém, um dos efeitos que esse grande tempo em casa tem causado em muitas pessoas, é a ansiedade. Pensando nisso, conversamos com a psicóloga Angela de Morais Carvalho, especializada em Terapia Cognitiva e Neuropsicologia, que atende em Itaquera e toda a zona leste de SP.

Angela ressalta sobre a pandemia: ‘‘quem já tinha um perfil ansioso, provavelmente tenha ficado mais ainda. E quem não se achava ansioso, pode ter descoberto sintomas pertencentes a ansiedade como alteração do sono, taquicardia, sudorese e vários outros, com uma intensidade, frequência e duração muito maior. A questão da ansiedade no momento de pandemia, pode estar associada ao medo das pessoas, diante de um perigo real da Covid-19, como mortes e internações, isso pode ter acionado o imaginário levando incertezas, causando processos ansiosos, também resultantes do confinamento e isolamento social. Além do estresse, medo e ansiedade, embora tenham significados diferentes, caminham juntos’'.

A psicóloga conta que ‘‘o convívio social é muito importante. O homem é um ser gregário, foi criado para convívios em pares ou grupos. O isolamento proporcionado pela pandemia, se tornou para algumas pessoas um momento de reflexão e para aprender a conviver com o grupo mais importante para nós, a família’'.

A especialista relata que os efeitos da quarentena podem variar entre problemas psicológicos que podem acabar afetando o físico. Como efeitos que causam alteração no sono, irritação, falta de concentração, medos irracionais e a desregulação do humor. As crises de ansiedade e estresse, podem evoluir até mesmo para uma depressão.

A profissional diz que para reduzir a ansiedade, o melhor a se fazer é, no caso dos que trabalham em casa, manter uma rotina de organização, preparando um local em casa que seja adequado para o desempenho do trabalho, além de cuidados com a autoestima e o sono. ‘‘Para manter a calma, e focar nas tarefas do dia a dia, é essencial estabelecer uma rotina, evitar contato com informações que possam causar efeitos negativos, ter horários para tarefas domésticas e para o trabalho bem definidos, mas nunca esquecer das atividades de lazer, que podemos realizar em casa’’, finaliza.