Cortesia - PI 50136 Fundo Social - DESKTOP Cortesia - PI 50136 Fundo Social - MOBILE

Nacional

Desistência de Doria deve beneficiar Lula e Bolsonaro, analisa especialista

De acordo com Afonso Pola, professor e sociólogo, o eleitorado do tucano deve se diluir entre outras bases

Fabrício Mello

Publicado

há 1 mês

em

Desistência de Doria deve beneficiar Lula e Bolsonaro, analisa especialista

Foto: Divulgação

No início desta semana, o ex-governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência da República, João Doria, anunciou sua desistência e retirada da disputa pelo Planalto. Em seu pronunciamento, o político comentou que entendia não ser “a escolha da cúpula do PSDB” e que aceitava a decisão “de cabeça erguida”. 

A saída de Doria causou uma nova movimentação e configuração do cenário político nacional. Em entrevista ao O Novo, o cientista político, sociólogo e professor Afonso Pola contou que acredita que a desistência do tucano fará com que seu eleitorado se dilua pelas outras candidaturas, mas acabará beneficiando os dois líderes nas pesquisas: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o atual presidente Jair Bolsonaro (PL).

O especialista explica que as Eleições 2022 caminham para um cenário de definição ainda no primeiro turno. “A redução do número de candidaturas sempre acaba direcionando o eleitorado dos desistentes para alguma outra candidatura; para o voto branco ou nulo. Podemos chamar esse deslocamento de ‘voto útil’. Temos um cenário que aponta, com certa intensidade, para um desfecho da eleição presidencial ainda no primeiro turno”, enfatiza Pola.

Em relação à chamada “terceira via”, apesar de Simone Tebet (MDB-MS) receber apoio do PSDB em sua candidatura, sua presença na disputa ainda é vista como uma “incógnita”. A candidata também tem o apoio do Cidadania e representa o segmento do agronegócio, que tem uma alta concentração no Centro Oeste do Brasil. 

“A candidatura dela preocupa mais ao Bolsonaro do que ao Lula. Ela é do Mato Grosso do Sul, Estado da região onde Bolsonaro tem seu melhor desempenho eleitoral. Isso quer dizer que, em caso de crescimento dessa candidatura, ele deverá se dar em maior intensidade justamente nesta região. Ela avançaria mais no eleitorado do Bolsonaro do que no de Lula”, analisa o professor.

Intenção de voto

Segundo a pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira (26), Lula lidera as intenções de voto, com 48%, seguido por Bolsonaro, 27%, e Ciro Gomes (PDT), 7%. A candidata Simone Tebet teria 2% das intenções de voto. Foram ouvidas 2.556 pessoas entre os dias 25 e 26, em 181 cidades. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.