Vitor Toffanelli ganha reconhecimento no Japão por levar o karatê ao K-1

Lutador superou expectativas em sua luta e devolveu o espirito de carateca para o evento

Divulgação

O K-1 é uma organização que é reconhecida pelos Grandes Prêmios (GPs) de Kickboxing (artes marciais baseadas em trocação) que vem organizando ao longo de mais de vinte anos de existência. Em seu auge, no início da década de 2010, o projeto detinha o maior e melhor evento de trocação (nome técnico para luta em pé) de todo o mundo. Ao longo dos anos, mesmo com o surgimento de outros campeonatos, o evento se tornou o mais respeitado torneio de luta de Kickboxing do mundo e atualmente conta com um representante brasileiro entre os seus lutadores, o atleta de Guararema, Vitor Toffanelli. Nesta última terça-feira, dia 3 de novembro, o lutador guararemense fez sua estreia no evento realizado no Japão. Após semanas de treinamento e até mesmo uma entrevista para a redação do O Novo, na qual falou sobre toda a preparação para o campeonato, a importância que ele tinha em sua vida e como o povo guararemense o ajudou em toda essa trajetória, Vitor volta ao jornal para falar sobre como foi a luta, o resultado dela, a sensação de estar no ringue, e ainda deixa um recado especial para todos os leitores do O Novo e fãs que apoiam sua carreira. Confira como foi o nosso papo:

Como se sentiu antes da luta?

“Antes da luta eu fico bem nervoso, principalmente na hora que vou me trocar, mas quando estou pronto, com a luva e com o protetor de boca, eu já fico querendo lutar. É nessa hora que vou me trocar que fico mais nervoso mesmo, tem também a hora em que você chega no evento e vê o palco do K-1, vê aquele estádio grande, dá um nervosismo mas ao mesmo tempo uma sensação de grande alegria”

Qual foi a sensação de estar no ringue?

“Como disse, a sensação de subir no ringue para mim é algo que eu não consigo explicar, mesmo porque a gente sair de Guararema, cidade pequena, lutar em um dos maiores eventos do mundo, um daqueles que desde criança você olha e sonha em lutar, não tem preço e nem mesmo algo que pague. Eu estou assim, sem dormir de alegria e muito feliz mesmo”.

Como analisa seu empenho durante a luta?

“O meu empenho durante a luta poderia ter sido melhor, pois eu preciso melhorar algumas partes técnicas. Mas por se tratar de enfrentar o campeão do evento, ele tem um know-how (conhecimento de normas, métodos e procedimentos em atividades profissionais, isso tudo, por experiência) muito grande de postura de luta, estratégia, então ele soube se colocar dentro do ringue de uma maneira que me intimidasse. Então eu tenho que melhorar muita coisa ainda para continuar lutando no K-1, que é um dos melhores eventos do mundo''.

Me conte um pouco sobre o que causou o resultado?

''Sobre o resultado, como eu falei, enfrentar o campeão do evento foi ótimo para mim, mesmo que eu tenha perdido a luta, porque ele está vindo de nocautes, é campeão de eventos, então todo mundo achava que eu iria perder no primeiro round de nocaute para ele, mas eu consegui lutar de igual para igual. Claro que ele teve vantagem e ganhou a luta muito bem ganha, mas a repercussão da minha luta aqui no Japão está sendo tão boa que o pessoal está dizendo que eu devolvi o espírito de carateca para dentro do K-1, além da força de vontade do carateca de lutar e essas coisas que o evento já não tinha mais''.

A repercussão da sua luta foi grande nas redes sociais. Como tem lidado com todo esse apoio e carinho após estar no K-1?

“Eu tento responder todo mundo porque é muito gostoso o carinho e o apoio que tenho encontrado. Você vir aqui e receber parabéns, o pessoal mandar mensagem, é muito gratificante e eu como retorno quero tentar responder todo mundo com tempo e com calma, porque eu fico muito feliz com o carinho de todos antes, durante e depois da luta”.

Gostaria de deixar uma mensagem a todos que torceram por você no dia 3 de novembro? Além disso, e agora, tem um novo grande objetivo? Quais são suas próximas lutas?

“De todo o meu coração eu quero agradecer a todo mundo que torceu por mim, que acordou cedo ai no Brasil para assistir a luta e ficar acompanhando o evento, muito obrigado de todo o coração. Vou continuar me esforçando, pois ainda tenho mais duas lutas dentro do K-1, meu contrato é de três lutas. E apesar de não saber quando será a próximo luta, acredito que será no primeiro semestre do ano que vem, eu com certeza agora vou entrar e conseguir trazer a vitória para a nossa cidade e para mim também, porque será um mérito pessoal de novo”.