Com 100 dias de nova gestão, Mogi das Cruzes tem economia de mais R$ 20 milhões

Segundo o Executivo, a economia foi essencial para manter o atendimento da Saúde no pior momento da pandemia

Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes

Neste sábado, a prefeitura de Mogi das Cruzes completa 100 dias com a nova gestão, que é comandada pelo prefeito Caio Cunha (Pode) e a vice-prefeita Priscila Yamagami (Pode). Com o marco, os representantes do Executivo trouxeram um balanço apontando os resultados obtidos no primeiro trimestre de 2021.

Um dos destaques da atual gestão é a empregabilidade, visto que, de acordo com a Prefeitura, hoje, no Emprega Mogi existem 847 vagas disponíveis e uma ação do órgão em relação à empresa Neobpo (instalada na cidade), salvou cerca de 4.000 mil empregos e a meta é abrir mais 500 vagas.

A cidade também será beneficiada com dois auxílios financeiros, sendo eles o Empresarial e o Emergencial. O Auxílio Empresarial, atenderá as empresas cadastradas no Simples Nacional e que não são consideradas serviços essenciais - cada instituição terá direito a R$ 300 por funcionário (porém, a empresa pode ter no máximo 5 colaboradores).

Já o Auxílio Emergencial Mogiano, atenderá 32 mil famílias da cidade, que receberão o valor de R$ 100,00, durante os meses de abril, maio e junho. Vale lembrar que a princípio o benefício seria entregue nos meses de abril e maio, no entanto, a Câmara Municipal com o Presidente da Casa, Otto Rezende (PSD), acordou com a Prefeitura, a extensão do pagamento por mais um mês.

Uma das principais ações da Prefeitura foi a revisão de contratos, que sozinha, gerou uma economia de 23 milhões de reais ao município. Num comparativo ao ano anterior, é possível notar uma grande mudança na receita de Mogi das Cruzes, já que, no mesmo período de 2020 a receita municipal era de R$ 413,477 milhões e hoje é de R$ 451,789 milhões, mesmo enfrentando a pior fase da pandemia. 

Além destas medidas, o prefeito afirmou que honrará com a frase “nenhum mogiano vai passar fome”, dita por Cunha em live. A cidade tem um projeto nomeado “Mogi contra Fome” que conta com medidas para apoiar munícipes “Além de todas as tratativas, tanto para a empresa quanto para a sociedade civil, nós prorrogamos o IPTU e prorrogamos o ISS para empresas. Entramos junto a Secretaria de Desenvolvimento e o CRECI para articular a renegociação de aluguéis; estamos nesse combate à fome”, o chefe Executivo também pontuou que 23.779 cestas básicas foram distribuídas pelo Fundo Social da cidade.