Para refletir sobre a saúde mental

Se você ainda acha que ingressar em uma universidade é apenas sinônimo de festa e “curtição”, retire esta ideia do seu pensamento! Realizada nos Estados Unidos recentemente, uma pesquisa do Center for Collegiatte Mental Health (CCMH) aponta que pelo menos 20% dos estudantes universitários sofrem de depressão ou ansiedade. Os motivos são questões como pressão no meio acadêmico, falta de qualidade no sono e uso excessivo de redes sociais. Com base na informação, há quem diga: “mas este dado é de outro país, não tem nada a ver com a realidade que vivemos”. Pois bem, tem sim. No Brasil, pautas referentes a saúde mental, depressão e ansiedade no meio acadêmico passaram a ser vistas com maior frequência em 2017. Isso aconteceu após alunos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) tentarem se matar, entre janeiro e abril. Após o fato, alunos da Universidade Federal de Viçosa (MG) lançaram na internet a campanha #NãoÉNormal, a fim de expor casos de demandas abusivas de escolas e professores que comprometem a saúde mental dos estudantes. No próprio meio virtual, atualmente, não é difícil achar matérias, artigos e até mesmo vídeos sobre o assunto. Se por um lado é bom para alertar alunos, familiares e profissionais da área de educação, por outro é sinal que o caso vem se repetindo e atingindo a maior parte dos jovens. Em Abril, a revista científica americana Nature publicou um estudo após entrevistas com quase 3 mil pessoas de áreas diferentes do conhecimento, em 26 países. Nele foi apontado que 36% dos alunos de mestrado e doutorado sentem-se deprimidos ou ansiosos em grau moderado ou grave. Na população geral, o índice fica na casa dos 6%. Saúde mental é tão importante quanto a física. Não só para os universitários mas para a população em geral. Que possamos refletir sobre isso e buscar ajuda, quando necessário. Lutemos juntos para o bem estar coletivo.