Poá inicia vacinação em crianças de 5 e 11 anos com comorbidades, nesta segunda-feira (17)

A cidade terá quatro UBSs exclusivas para o atendimento infantil, e recebeu 650 doses do imunizante no primeiro lote

Divulgação

O município de Poá inicia nesta segunda-feira (17/01), a aplicação da vacina contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos de idade com comorbidades ou com deficiência permanente grave (DPG). Quatro Unidades Básicas de Saúde (UBS) foram designadas para imunização exclusiva deste público e os profissionais do Departamento de Vigilância em Saúde receberam esta semana capacitação do Governo do Estado para realizar a imunização em, aproximadamente, 11,6 mil crianças, segundo dados da Fundação Seade.

“Vale ressaltar que é necessário fazer o pré-cadastro deste público e, por isso, os pais e/ou responsáveis devem acessar o site https://condematportal.sissonline.com.br/ e preencher o formulário com os dados pessoais da criança, assim como foi realizado nas faixas etárias anteriores”, afirmou o diretor do Departamento de Vigilância em Saúde, Leonardo Barbosa Garcia. O responsável pelo setor ainda destacou que o lote inicial enviado pelo governo estadual com as doses destinadas para a imunização das crianças contém 650 doses.

A imunização das crianças de 5 a 11 anos com comorbidades ou DPG será realizada exclusivamente nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) Tito Fuga (Calmon Viana), Centro de Saúde (CSII), Doutor Oswaldo Cypriano Mônaco (Jardim Nova Poá) e Wellington Lopes (Jardim América). “Vamos centralizar a imunização deste faixa etária somente nestas unidades com a finalidade de separar os públicos. As demais unidades básicas, assim como as Estratégias de Saúde da Família (ESF), seguem com a imunização do público adulto”, afirmou Leonardo.

Os pais e/ou responsáveis devem acompanhar as crianças, munidos de documento com foto e CPF (ou cartão do SUS) das crianças, além de comprovante de endereço. A vacina será aplicada de segunda a sexta-feira, das 9 às 15 horas.

 

COMORBIDADES

As comorbidades preconizadas pelo Ministério da Saúde são: doenças cardiovasculares, insuficiência cardíaca, cor-pulmonale e hipertensão pulmonar, cardiopatia hipertensiva, síndromes coronarianas, valvopatias, miocardiopatias e pericardiopatias, doença da aorta, dos grandes vasos e fistolasanteriovenosas, arritmias cardíacas, próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados, diabetes mellitus, pneupatias crônicas graves, hipertensão arterial resistente, hipertensão arterial estágio três, hipertensão estágios 1 e 2 com lesão e órgão alvo, doença cerebrovascular, doença renal crônica, imunossuprimidos, anemia falciforme, obesidade mórbida, cirrose hepática e HIV.

 

DEFICIÊNCIA PERMANENTE GRAVE

Para fins de inclusão na população-alvo para vacinação, serão considerados indivíduos com deficiência permanente grave aqueles que apresentem uma ou mais das seguintes
limitações: 1 – Limitação motora que cause grande dificuldade ou incapacidade para andar ou subir escadas; 2 – Indivíduos com grande dificuldade ou incapacidade de ouvir; 3- Indivíduos com grande dificuldade ou incapacidade de enxergar; 4- Indivíduos com alguma deficiência intelectual permanente que limite as suas atividadeshabituais, como trabalhar, ir à escola, brincar, etc.