Bertaiolli se reúne com direção da Santa Casa de Mogi para realizar balanço de recursos

O deputado também falou sobre a Saúde da cidade e a atuação da prefeitura municipal durante a pandemia  

Júlia Andrade

O deputado federal Marco Bertaiolli (PSD-SP) esteve, nesta quinta-feira (11), na Santa Casa Mogi das Cruzes para uma reunião com o provedor José Carlos Petreca, toda a Mesa Diretiva da instituição e a imprensa. Durante o encontro, o parlamentar apresentou um balanço dos recursos enviados, via Brasília, à filantrópica, num total de cerca de R$ 5 milhões. Também falou do novo Marco Regulatório das Entidades Filantrópicas, que foi o relator no Congresso Nacional e que tem como objetivo oferecer segurança administrativa, fiscal e tributária para que as Santas Casas e os Hospitais Filantrópicos continuem funcionando e de portas abertas.

“As Santas Casas e Hospitais Filantrópicos respondem por mais de 70% do atendimento do SUS, incluindo a alta complexidade como cirurgias de risco e transplantes. É fundamental que recebam o apoio e as políticas públicas necessárias para trabalharem em paz e com os recursos financeiros e equipamentos suficientes para atender quem mais precisa”, destaca o deputado.

Bertaiolli junto à mesa diretiva, médicos e colaboradores da instituição/Foto: Júlia Andrade

No encontro, o deputado também falou da preocupação com o estrangulamento nos atendimento na área da saúde pública em decorrência da pandemia da Covid-19. “Só na Santa Casa de Mogi existem cerca de 700 pedidos de cirurgias ortopédicas acumulados”, ressaltou o deputado, que também é membro da Comissão de Seguridade e Família do Congresso Nacional, grupo formado justamente para discutir as necessidades do sistema SUS, incluindo os repasses financeiros feitos.

O parlamentar também pontuou sobre ações da prefeitura em relação à Saúde municipal:  “Erros básicos: ter permitido o Luzia ter fechado o pronto socorro. Um absurdo, deveria ter ligado, esperneado. Segundo: essa falta de clareza no papel de cada um na rede municipal de saúde”, afirmou e complementou que falta explicar e alinhar o que cada instituição de saúde se destaca na cidade, para haver uma organização e nenhuma das provedoras ficarem sobrecarregadas. 

 Relator do projeto que estabeleceu o novo Marco Regulatório das Entidades Filantrópicas, o deputado Bertaiolli destacou a importância destas diretrizes. O projeto traz uma regularização para as entidades filantrópicas, desde a segurança jurídica até a manutenção de todas as contrapartidas das Santas Casas, hospitais filantrópicos, entidades da área de educação e da área da assistência social.