“É possível contrair dengue e Covid-19 ao mesmo tempo” diz especialista

Segundo um estudo brasileiro, pessoas que já foram infectadas pela dengue têm menos chances de morrer por coronavírus

Arquivo Pessoal

Com o período de altas temperaturas e chuvas frequentes o alerta para o cuidado com focos da dengue aumenta. Em 2019, Guararema registrou dez casos positivos da doença. Já em 2020, o total de notificações subiu para 68, e até a metade do mês de fevereiro deste ano tinha apenas um registro.

Esta também é uma fase em que a pandemia no Estado atinge seu pior índice desde o primeiro caso registrado em fevereiro de 2020. Em Mogi das Cruzes, onde os hospitais atendem as vítimas da doença, os leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) atingiram 100% de ocupação. É a 2ª semana consecutiva em que a cidade atinge essa porcentagem.

O pediatra e diretor técnico da Santa Casa de Misericórdia de Guararema, Dr. Luiz Marcos explicou que apesar de as chances serem pequenas, uma pessoa podem contrair a dengue e a Covid-19 ao mesmo tempo “Se eu estiver em um lugar que acumulou chuva, água parada, que tenha pessoas contaminadas pelo vírus da dengue ou o próprio aedes aegypti eu posso pegar, e depois caso tenha contato direto com uma outra pessoa que esteja com covid-19, posso contrair também. É como “ganhar na loteria" (ao contrário), mas é possível.”

O doutor ressalta ainda os sintomas similares das doenças “Tem alguns sintomas que são semelhantes, como dores no corpo, mal-estar, dor de cabeça, febre. Tudo isso pode ser sintoma de qualquer uma das duas”, finaliza.

Sintomas 

Segundo Luiz Marcos, a dengue costuma dar muita febre, dor de cabeça, dor no corpo, calafrio com frequência, dor atrás do olho e mancha da pele. No entanto, não da tosse, nariz escorrendo, diarreia, não altera paladar, nem olfato.

Em casos graves da doença, as plaquetas de sangue caem.

Já o coronavírus “Apresenta febre mas não tão alta, tosse, nariz escorrendo, às vezes vômito, diarreia, entre outros. Parece um resfriado com espirros e dores de garganta, mas já vi caso de Covid-19 com quadro de febre e dor de cabeça, ou com manchas grosseiras na pele. Alguns casos colhemos (Equipe que trabalha com o doutor) sorologia tanto para dengue, quanto para covid-19”.

Outros estudos

Um estudo brasileiro, publicado no Clinical Infectious Diseases e desenvolvido pelas universidades federais do Acre (UFAC) e Paraná (UFPR) e pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em parceria com a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, sugere que pessoas contaminadas pelo coronavírus, correm menos risco de morrer pela doença se já tiverem enfrentado a dengue em algum momento da vida.

No estudo, foram informadas 38 mortes — 12 entre quem teve dengue e 26 entre os que não apresentaram essa doença.