Dr. Gondim se reúne com diretores da Santa Casa de Mogi para defender a parceria entre a instituição e o Iamspe

A assistência médica é voltada para o atendimento de servidores públicos da região ; em nota, a Santa Casa afirmou que “não tinha mais interesse na continuidade de tais serviços nos moldes atuais, por ser deficitária para a entidade”

Reprodução

A Santa de Misericórdia de Mogi das Cruzes encerrou o contrato com o Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo - Iamspe, instituição que atende os funcionários públicos estaduais na cidade.

A medida foi tomada no dia 9 março e entrará em vigor no dia 9 de maio, respeitando e seguindo o protocolo de aviso de rescisão de 60 dias, que está instituído no contrato entre o hospital e a assistência médica.

Em defesa da decisão, a Santa Casa explicou ao O Novo que avisou o Instituto sobre a decisão e não obteve respostas: "O contrato vigente se encerrará no próximo dia 09/05/2021. A Santa Casa notificou o IAMSPE em 09/03/2021, que não tinha mais interesse na continuidade de tais serviços nos moldes atuais, por ser deficitária para a entidade, e não houve retorno do IAMSPE”.

Procurado pelo O Novo, o Iamspe informou que após a decisão do hospital mogiano, o instituto “publicou em março de 2021 um edital de credenciamento para atendimento hospitalar em busca de novos parceiros para a região, que resta sem inscritos”. Eles também sugeriram outros locais onde os mogianos podem encontrar o convênio “os usuários de Santa Casa de Mogi das Cruzes poderão buscar atendimentos nas unidades hospitalares das cidades mais próximas, como Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Poá e Suzano.” 

No entanto, não são todos que estão satisfeitos com a decisão, como defende o suplente à deputado, Dr. Gondim “estou preocupado com a falta de um hospital para o atendimento dos funcionários públicos do Estado de São Paulo. Hoje fiz uma reunião com toda a diretoria (o provedor, diretor clínico, diretor administrativo, diretor financeiro e conselheiros da Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes. O nosso intuito é que não seja rompido o convênio entre a Instituição e o Iamspe, pois poderemos deixar 35 mil funcionários públicos sem o atendimento e sem o local de referência para internação aqui no Alto Tietê”.

Dr. Luis Carlos Gondim com o documento que afirma o encerramento do vínculo entre a Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes e o Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo - Iamspe.