Como a pandemia interfere no futuro da mobilidade

55% das empresas que participaram da pesquisa Voice of the Industry, em outubro de 2020, indicaram que planejam expandir o trabalho remoto

Reprodução

Com as medidas de restrição em vigor e mudanças nas preferências do consumidor em decorrência da pandemia de Covid-19, é possível afirmar que o futuro da mobilidade já foi alterado. O aumento do home office e a redução do uso de transporte público mudaram a forma como os consumidores trabalharão e viajarão. Essas mudanças deverão ter um impacto mais amplo no setor de planejamento urbano e construção.

A mobilidade do consumidor diminuirá por conta do novo local de trabalho: os lares. Segundo a Mobility Survey 2020, da Euromonitor Internacional, 52% dos entrevistados globalmente se deslocam cinco ou mais dias por semana. Cerca de 63% dos entrevistados também indicaram que gastam em média de 15 a 60 minutos no trajeto todos os dias.

A crescente popularidade do home-office será uma das principais razões que afetarão a mobilidade do consumidor, visto que, segundo a pesquisa Lifestyles Survey 2020, 37% dos entrevistados globalmente indicaram que desejam trabalhar em casa no futuro. Da mesma forma, 55% das empresas que participaram da pesquisa Voice of the Industry, em outubro de 2020, também indicaram que planejam expandir o trabalho remoto.

A grande queda no uso do transporte público terá um forte impacto financeiro para os provedores de transporte público e os centros urbanos, no entanto, tal situação pode abrir novas oportunidades de negócios para empresas que oferecem outros modais de transporte compartilhado, como aluguel de bicicletas/patinetes ou compartilhamento de carros.