Primeira Lua gasosa é encontrada!

Reprodução

Quando nos referimos às luas do sistema solar já descobertas, por volta de 180... todas elas são rochosas e geladas.

A principal razão pela qual não temos luas de gás é que elas simplesmente não são grandes o suficiente. O gás é muito volátil, tem um alto grau de movimento e isso facilita a fuga do mesmo. Isso acontece em todos os corpos do sistema solar que têm gás na atmosfera, embora a taxa em que eles perdem gás tende a ser muito pequena.

Essa alta taxa de movimento significa que os objetos precisam atingir um certo tamanho antes de poderem se manter em uma atmosfera. A maioria das luas não atinge esse limite mínimo de tamanho.

Como as luas são pequenas, sua influência gravitacional geralmente não pode ser igual aos planetas-mãe. Isso significa que o planeta geralmente retira todo o gás das luas.

Mas, quando falamos de planetas e luas fora do sistema solar, conhecidos como explanetas... a historia pode ficar um pouco diferente da que conhecemos...

Agora, Astrônomos revelaram a existência do que parece ser a primeira lua detectada fora de nosso sistema solar, um grande astro gasoso do tamanho de Netuno que não se parece com nenhuma lua conhecida e orbita um planeta também gasoso muito maior do que Júpiter.

Essa exolua e o planeta que ela orbita, que se estima ser várias vezes mais volumoso do que Júpiter, o maior planeta de nosso sistema solar, são ambos gasosos, uma combinação inesperada para os astronomos. E eles estão localizados a 8 mil anos-luz da Terra.

A exolua é exponencialmente maior do que a maior lua de nosso sistema solar. Enquanto a lua Ganimedes de Júpiter tem um diâmetro de cerca de 5.260 quilômetros, estima-se, como citei no inicio, que a exolua tem a dimensão aproximada de Netuno, o menor dos quatro planetas gasosos de nosso sistema solar, com um diâmetro de cerca de 49 mil quilômetros.

A exolua e seu planeta orbitam a Kepler-1625, uma estrela semelhante em temperatura ao nosso sol, mas cerca de 70 por cento maior. A lua descoberta orbita a cerca de 3 milhões de quilômetros de seu planeta e sua massa é aproximadamente 1,5 por cento do planeta que ela orbita.

Os astrônomos da Universidade de Columbia recorreram ao método de "trânsito" já usado por pesquisadores para detectar quase 4 mil exoplanetas. Eles observaram uma diminuição do brilho da Kepler-1625 quando o planeta e depois sua exolua passaram diante dele. E o tamanho e a composição gasosa da exolua desafiam as teorias atuais sobre a formação de luas.

Alex Teachey e David Kipping, cientistas que lideraram essa descoberta, usaram dados Telescópio Espacial Hubble e o Telescópio Espacial Kepler da Nasa para essa descoberta incrivel que eu acho que pouca gente tem conhecimento!

As descobertas foram publicadas no periódico científico Science Advances.

Astronauta Urbano.