“Um atalho para chegar à praia”, diz Caio Cunha sobre intenção da Artesp em instalar um pedágio na Mogi-Dutra

Deputados da região se posicionam sobre o caso; tribunal de Justiça determina que a agência se manifeste sobre o assunto dentro de 48h

Reprodução

A discussão sobre a instalação de um pedágio na Rodovia Pedro Eroles - Mogi-Dutra, continua causando descontentamento aos munícipes de Mogi das Cruzes e, em contrapartida, a Artesp - Agência de Transporte do Estado de São Paulo, não abre mão da decisão de inserir uma praça de cobrança.

No entanto, nesta sexta-feira, 21, o TCESP - Tribunal de Contas do Estado de São Paulo determinou que a agência deverá se manifestar sobre a instalação dos pedágios na Mogi-Dutra, dentro de um prazo de 48h.

Vale ressaltar que o prefeito da cidade, Caio Cunha (Pode), foi à justiça para tomar providências sobre o caso, após o edital que foi aberto para a concessão das rodovias e instalação de praças de pedágios “A Artesp tenta nos vender esse projeto como algo benéfico para a cidade, mas a realidade é que essa é apenas uma forma de obter lucro às custas dos mogianos e transformar Mogi em um atalho para chegar à praia”, afirmou Cunha em uma postagem nas redes sociais.

Hoje acontece uma mobilização contra a instalação do pedágio, autoridades e moradores da cidade estarão presentes para repudiar a ação da Artesp. O encontro é no Posto Itamarathy e segue até o Km 42 da Mogi-Dutra.

Nesta semana, O Novo conversou com deputados da região, que se posicionaram sobre a inserção dessa cobrança na cidade:

André do Prado (PL) - Deputado Estadual

Já fixei meu repúdio a instalação dessas praças de pedágio junto ao Governo do Estado. Todos os prefeitos do Alto Tietê também se mostraram contrários.

Discordo totalmente e temos lutado contra essa ideia pois acredito que ela vai afetar negativamente a economia e a vida dos moradores de toda a região, principalmente aqueles que precisam se deslocar todos os dias para a capital. Além disso, a implantação dos pedágios pode deixar de atrair novas empresas para o Alto Tietê e para o Distrito do Taboão, por exemplo."


Marco Bertaiolli (PSD) - Deputado Federal

"A implantação de uma praça de pedágio na Rodovia Mogi-Dutra é um projeto esdrúxulo da Artesp e vamos combater com todas as ações possíveis, tanto políticas quanto jurídicas, através da Prefeitura de Mogi das Cruzes. Não tem cabimento penalizar milhares e milhares de pessoas, empreendedores, agricultores e moradores com uma cobrança que não trará nenhum benefício para Mogi das Cruzes ou para o Alto Tietê, já que a Mogi-Dutra não requer mais investimentos e esses recursos seriam utilizados em outra região do Estado. 

Já tive várias reuniões com o Governo do Estado, inclusive com a Artesp que havia me garantido que não levaria esse projeto adiante sem dialogar com a cidade e suas autoridades. Em 2019, nós fizemos inclusive uma Carta Aberta com a adesão de mais de 50 entidades representativas de diversos segmentos, vereadores e deputados estaduais apresentando os argumentos contrários a esse processo." Vamos continuar trabalhando contra esse pedágio dia e noite, todos os dias.

 

Estevam Galvão (DEM) - Deputado Estadual

Sou frontalmente contra a instalação de uma praça de pedágio em Mogi das Cruzes, até porque não há obra que justifique tal oneração para a população. 

É descabida a cobrança na Rodovia Mogi Dutra, uma estrada consolidada e construída com dinheiro público municipal. 

Me posicionei contrário à ação em 2019, quando o projeto teve início, e mantenho meu posicionamento hoje, após publicação do edital pela Artesp. 

Ontem (dia 20/05) cobrei providências do vice-governador Rodrigo Garcia e obtive a informação de que ele solicitou reanálise da Artesp e que “nesta gestão estadual não haverá cobrança de pedágio em Mogi das Cruzes”.

Ainda assim, respeito e apoio os movimentos populares, que fortalecem a luta e garantem o melhor para a nossa cidade e região.