Mogi das Cruzes anuncia adesão à fase crítica com restrições mais duras

Na nova classificação as pessoas ficam proibidas de circular pela cidade 24h por dia

Reprodução/O Novo

Em coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira, o prefeito de Mogi das Cruzes, Caio Cunha (Pode) anunciou medidas mais restritivas e o rebaixamento da cidade para a chamada “fase critica”. As medidas passam a valer a partir da próxima segunda-feira (22/03), e inicialmente têm durabilidade de 10 dias.

Na nova classificação, além das restrições da fase emergencial, outras regras serão aplicadas. A circulação de pessoas nas ruas ficará proibida 24 horas por dia – e não mais somente das 20h às 5h, conforme a determinação do governo estadual. De acordo com Cunha, as pessoas poderão sair de casa somente para se dirigir a supermercados ou por motivos necessários (de urgência). Caso contrário, poderão ser abordadas e receber orientação para voltar para casa.

O serviço de drive-thru, que havia sido autorizado na área central, será suspenso. Já os supermercados terão o horário estendido, e poderão funcionar 24h, porém, só poderá entrar uma pessoa por família e será autorizado apenas uma pessoa a cada 20m.

Ficam proibidos cortes de luz ou água para toda a cidade, e no âmbito de desenvolvimento, o Executivo reforçou que disponibilizou ferramentas para apoiar empreendedores, como o Vetrina, aplicativo criado para compra e venda de produtos.

“No ano passado, no pico da pandemia, entre junho e julho, tínhamos 77 leitos (de UTI), e o máximo que alcançamos foi 46% de ocupação. Hoje dobramos o número de leitos e estamos com mais de 100%”, afirmou o secretário de Saúde, Henrique Naufel, apontando a situação grave que a cidade enfrenta.

No Hospital Municipal, onde funciona o Centro de Referência do Coronavírus de Mogi, há 159 pacientes internados, sendo que a unidade conta com 124 leitos operacionalizados, um número que segundo o secretário, passa dos 20% do limite de ocupação.