Médico Oncologista fala sobre tratamentos e prevenção ao câncer

Arquivo Pessoal

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o Brasil deve registrar cerca de 600 mil novos casos de câncer por ano em 2018 e 2019.  Pensando na importância do tema e em lembrança ao Dia Mundial de Combate ao Câncer, celebrado no dia 8, o oncologista Celso Abrahão, 58, que atua há 35 anos na área, esclareceu pontos relacionados a este conjunto de doenças.  Na região em que trabalha, o Vale do Paraíba, Abrahão afirma que os tipos mais identificados de câncer atualmente são de pele, mama, cólon (intestino grosso), próstata, ginecológicos (útero e ovários) e pulmão. “Boa parte dos pacientes passam pelos três tipos de tratamento mais comuns : cirurgia, quimioterapia e radioterapia", acrescenta. Segundo Abrahão, o tratamento não depende só de remédios, cirurgias e máquinas sofisticadas. "União da família, harmonia no relacionamento com a equipe de saúde e esperança são ingredientes fundamentais para o sucesso das etapas”, ressalta. Como prevenção, o médico explica que é importante realizar consultas médicas e  exames de rotina, como preventivo ginecológico para as mulheres e mamografia, exames de toque e PSA para os homens; pesquisa de sangue oculto nas fezes e colonoscopia a partir dos 50 anos; raio-x de tórax e um seguimento mais rigoroso para fumantes. Aos que têm casos recorrentes na família é importante a consulta na área de Oncogenética. Sobre ter escolhido a Oncologia, o médico afirma: “é um desafio profissional, pessoal e espiritual que nos acarreta desenvolvimento como ser humano, não importando se conseguimos oferecer a cura completa ou somente conforto e dignidade para os que não evoluem bem”. Segundo ele, atualmente cerca de 70% dos casos são controláveis e muitos não morrem diretamente pela doença.  Aos pacientes, sugere: “busquem informações confiáveis, conversem com médicos, procurem estabelecer bom relacionamento com equipes de tratamento, sigam  orientações e não acumulem dúvidas e angústias”.