Profissionais da educação e líderes se opõem às aulas presenciais em Mogi

Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes

Nesta semana, as aulas presenciais nas escolas municipais de Mogi das Cruzes foram retomadas, no entanto, a medida não agradou muitos munícipes. Além disso, a semana foi marcada pela perda da da diretora Ana Paula Santos, do CEIM Lourdes Guerra, da agente escolar Eliana de Oliveira Berthão, da EM Professor Sérgio Hugo Pinheiro e do auxiliar de desenvolvimento da educação, Alexandre Araújo da Silva.

Profissionais da rede municipal de ensino de Mogi das Cruzes realizaram um protesto em frente ao prédio da Prefeitura e carreata pelas ruas da cidade, na última quarta-feira (9), para pedir a suspensão das aulas presenciais até o recesso escolar de julho, tendo em vista que, até lá todos os profissionais estejam imunizados contra a Covid-19. 

A diretora regional da Subsede da Afuse (Associação dos Funcionários e Servidores da Educação), Ingrid Dias, que atua em uma escola estadual do município, diz que não se sente segura com o retorno das aulas presenciais pela falta de funcionários, estrutura e segurança nas escolas. “Eu não me sinto nem um pouco segura, muitos alunos não usam máscaras, insistem em não cumprir o distanciamento e não acreditam na doença”, afirmou a servidora.

Para o vereador Zé Luiz (PSDB), que faz parte da Comissão de Educação da Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, a questão vai além do ensino “Mais do que defender a educação, precisamos defender a vida”.