Prefeito de Mogi acredita que cenário atual tem influência de aglomerações no carnaval

Na tarde de hoje a cidade se aproximava dos 95% de leitos de UTI ocupados, agora a noite atingiu 100%

Reprodução/ Facebook

Foi anunciado pelo prefeito de Mogi das Cruzes, Caio Cunha, na tarde desta terça-feira, 02, que a cidade voltará para a fase vermelha do Plano SP, isto, devido ao fato das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) municipais já terem ultrapassado 90% de ocupação - no momento do anúncio, e agora em um segundo momento, atingindo a marca de 100% dos leitos ocupados.

Com o estado de alerta, a partir da meia-noite, apenas os serviços essenciais poderão funcionar em Mogi, dentre os principais, hospitais, farmácias, mercados, padarias, açougues, postos de combustíveis, meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô, além de serviços de delivery.

O Executivo junto ao Legislativo decidiu aplicar uma fase ainda mais restritiva para a cidade, proibindo o funcionamento de igrejas, por exemplo. Atividade na qual, para o Estado, é tida como essencial.

“A gente tem pautado nossas decisões em evidências, e o grande pico que deu nesta semana, quase que um colapso, é fruto do período de carnaval.” afirma Cunha, que ainda explicou que mesmo com as orientações, muitas regras foram desrespeitadas “Embora não tenha ocorrido os desfiles de carnaval, não tem tido festas oficiais, teve muita festa clandestina, muitos estabelecimentos, (como) tabacarias e casas noturnas, que abriram durante o período".

Após ser questionada pelo anúncio das informações, a vice-prefeita, Priscila Yamagami, explicou “Durante o dia estavámos beirando os 95% (de leitos de UTI ocupados) agora a noite já estamos em 100%, então não temos controle sobre o comportamento do vírus, é incontrolável, por isso não avisamos antes, (aliás) o quanto antes a gente avisa”, completa.