Sidnei Leal: guararemenses sonham com Hospital Regional e mais empregos

Crise. Presidente da Câmara de Guararema falou dos desafios da pandemia e elogiou o trabalho do prefeito; sem turismo, cidade perdeu muito

Vânia Sousa

Atualmente exercendo seu quinto mandato, Sidnei Santos Leal (PL), 49 anos, foi reeleito vereador em Guararema com 758 votos nas eleições de 2020. Presidente da Câmara Municipal de Guararema, ele é casado e tem uma ­ filha. É formado em Gestão Pública e sua atuação na cidade sempre foi voltada para o social, pelos direitos das crianças, adolescentes, idosos e de­ cientes.

Já foi secretário de Assistência Social (2007 a 2010); de Cultura (2010 a 2012), de Governo por duas vezes (2012 a 2014) e (2013 a 2014) e, de 2014 a 2020, voltou para a Secretaria da Assistência Social.

Nesta quarta-feira (4), o vereador, mais conhecido como “Sidnei Gordo”, esteve nos estúdios do jornal O Novo, onde concedeu entrevista exclusiva para falar de sua gestão, projetos, dos desafios da pandemia do novo coronavírus e do relacionamento do Legislativo com o Executivo municipal.

 

O Novo: O sr. está no quinto mandato, a que se deve ao fato de estar tanto tempo na Câmara Municipal?

Sidnei Leal: O difícil não é ganhar a primeira eleição, mas se reeleger, pois é a aprovação do nosso trabalho. E é trabalho. Sempre tive uma boa votação, acredito que pelo meu bom trabalho.­

 

O Novo: Quais seus principais projetos?­

Sidnei Leal: Tenho vários projetos ambientais, voltados também para a causa animal e aos direitos e proteção às mulheres. Mas o que eu ‑ z proibindo a plantação de eucalipto foi muito importante, pois o eucalipto tira muita água do solo. Nós realizamos um estudo sobre o assunto. Declarei como utilidade pública o Ampara.

Tem outro que proíbe o uso de cerol;­ outro que obriga os bares e restaurantes e casas noturnas a adotarem medidas de auxílio à mulher; outro que cria a comemoração do Dia de São Longuinho; que reconhece a Galinhada como prato típico de Guararema; o que cria a Semana do Ciclista; o da colocação de brinquedos adaptados em praças e parques, escolas, para crianças com necessidades especiais; entre outros.­­­­­

 

O Novo: O sr. também foi secretário em outros mandatos, fale-nos quais os cargos que ocupou e destaque alguns de seus trabalhos à frente destas secretarias?

Sidnei Leal: Em 2007, fui secretário de Assistência Social a convite do deputado André do Prado, onde participei da implantação do Cras (Centro de Referência e Assistência Social) em Guararema; em 2010, tivemos a questão das enchentes, e isso me marcou muito, pois tivemos que acolher muitas pessoas no primeiro dia do ano.

Depois fui para a Cultura, onde tive a incumbência de implantar o primeiro projeto Cidade Natal; e, a pedido do então prefeito Marcio Alvino, tivemos a oportunidade de reconstruir a Estação Luís Carlos, implantar o Estação Literária e o nosso cinema, muito bonito, que atualmente está fechado por conta da Pandemia. Também, junto ao DER, construímos as rotatórias, entre outras obras e projetos, como a Casa do Adolescente, o Centro do Idoso, com geriatria, e várias oficinas.­­­­­­

 

O Novo: O sr. é o atual presidente da Câmara, como tem sido comandar o Legislativo nestes tempos de pandemia?

Sidnei Leal: Os seis primeiros meses foram bem complicados e nós optamos por fazer as sessões online, devido a problemas com sinais de Internet. Só fechamos para a população, mas em julho já normalizamos. Temos uma Câmara enxuta, com oito funcionários apenas e os vereadores não têm assessores, nem veículos.

Tivemos vários casos de Covid, mas sempre com muito cuidado, sem parar as sessões. Nossos recursos este ano estão enxutos, tiramos 20% da subvenção dos vereadores. A dificuldade mesmo foi ver a população sofrer com a falta de empregos, com os leitos lotados. Mesmo assim nossa cidade está de parabéns, estamos fazendo um ótimo trabalho no sentido de vacinar toda a população.­­­­­­

 

O Novo: A Câmara tem vereadores de oposição atualmente?

Sidnei Leal: Não. Hoje, somos os 11 eleitos pela situação. E quem ganha é Guararema. Nosso prefeito sempre chama e explana todos os problemas e isso é muito bom.­

 

O Novo: Como tem sido seu relacionamento com os parlamentares, principalmente depois da uma renovação na Câmara?

Sidnei Leal: Nosso relacionamento é muito bom. Nunca fomos inimigos, só adversários na campanha. Agora todos temos que trabalhar em prol de Guararema.­

 

O Novo: Como vem sendo seu relacionamento com o prefeito da Cidade, José Luiz?

Sidnei Leal: Muito bom. Sempre nos sentamos e conversamos com o prefeito antes de apresentar as proposituras. O Zé foi uma surpresa para todos nós. Ele tem feito um bom mandato.­­

 

O Novo: Quais as principais necessidades dos guararemenses atualmente?

Sidnei Leal: Emprego, com certeza. Essa pandemia fechou muitas empresas, comércios. Com a retomada do turismo, cremos que vai melhorar. Hoje, o sonho do guararemense é ter um hospital regional. E isso já está saindo do papel. O esqueleto já está pronto e cremos que, até meados de 2022, já estará pronto. Queremos salvar vidas por meio desse hospital.

­­

O Novo: Esta pandemia tem sido um desafio para as autoridades e gestores, como o sr. vê a atuação do prefeito, dos vereadores e dos deputados que os representam?

Sidnei Leal: ­Tanto o ex-prefeito Adriano Leite e como o Zé Luís ‑ zeram um bom trabalho, separando os atendimentos, fechando o comércio quando foi necessário. Nós perdemos 100 pessoas, conhecidas, e isso é muito triste. Todo o secretariado trabalhou muito e a retomada está sendo gradual. Recebemos investimentos na Saúde, e muitos tratamentos foram pagos pelo Executivo, porque não temos leitos de UTI na cidade. Hoje temos 65% da população vacinada e isso é fruto de um bom trabalho da Adriana (secretária de Saúde).­­­­

 

O Novo: A pandemia prejudicou a cidade em termos de recebimento de verbas estaduais ou federais?

Sidnei Leal: Sim, com certeza. O desemprego veio e junto a inadimplência de IPTU, ISS, e o repasse dos governos Federal e Estadual caiu bastante. Graças a Deus temos os deputados estadual André do Prado (PL) e o deputado federal Márcio Alvino (PL) que, por meio de emendas, conseguiram suprir essas perdas.­­­­­

­

O Novo: A Prefeitura acabou de anunciar o cancelamento do Cidade Natal, um dos eventos mais esperados pela população, pelos comerciantes e pelos turistas. Como o sr vê essa medida?

Sidnei Leal: Por ter implantado o projeto, é muito triste, principalmente para o comerciante. Por outro lado, o gasto para montar o Cidade Natal é muito grande, é um projeto que dura 12 meses. Hoje, não sairia por menos de 2 milhões de reais. Mas a Secretaria já está trabalhando para 2022 e vai ser muito melhor. É uma pena, mas é prudente, porque a pandemia ainda não acabou.