Cresce presença de pessoas com deficiência no mercado

Conseguir espaço no mundo do trabalho é um desafio que as Pessoas com Deficiência (PCDs) enfrentam todos os dias. As exigências para concorrer a uma vaga de emprego, como aptidões físicas, experiência e qualificação são as principais barreiras para aqueles que buscam uma ocupação profissional. Uma realidade, no entanto, que vem se transformando nos últimos anos.
A última Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), divulgada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, em 2016, revelou que houve um aumento de 3,8% no número de pessoas com deficiência inseridas no mundo do trabalho em comparação a 2015. Um avanço que, mesmo tímido, pode estar relacionado ao nível de escolaridade das pessoas com necessidades especiais.
De acordo com o Censo Escolar da Educação Básica 2017, pesquisa realizada anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em articulação com as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, o número de matrículas de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento ou altas habilidades no ensino médio quase dobrou entre 2013 e 2017. No ano passado, 98,9% dos alunos estavam incluídos em classe comum.
Para que isso fosse possível, as unidades educacionais precisaram quebrar paradigmas, rever as práticas pedagógicas e, principalmente, reestruturar-se para receber esses estudantes. A criação de políticas públicas e de leis como a n0 10.098/2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos de acessibilidade, foram fundamentais para valorizar a acessibilidade e o respeito às diferenças, além de tornar possível a interação das pessoas com deficiências no ambiente escolar.
Um movimento que o Senac instituição de formação técnico-profissional, vem intensificando há mais de 15 anos ao investir na adequação de sua infraestrutura e no desenvolvimento da equipe de funcionários. A docente Elaine Cristina de Siqueira Rodrigues explica que as mudanças começaram com a instalação de um elevador, seguida pela sinalização em braile. “Atualmente, a unidade conta com uma completa estrutura que contempla intérprete de Libras, piso tátil, materiais didáticos ampliados e em braile, mobília e ambientes adaptados.”
Elaine reforça que os docentes também são desenvolvidos para gerir a diversidade no ambiente escolar, por meio de treinamentos internos, externos e assessorias especializadas. “Esse conjunto de iniciativas internas ajuda o aluno a receber o estímulo necessário para se desenvolver e se posicionar no mundo do trabalho. Nossa formação vai além da capacitação técnica e valoriza a experiência com a diversidade e a inclusão. Ademais, promovemos ações e eventos sociais de conscientização e oficinas gratuitas, priorizando sempre o envolvimento da comunidade nas práticas inclusivas."
Outro diferencial do Senac São José dos Campos é a capacidade de se adaptar, de sua infraestrutura ao seu plano educacional, às necessidades de cada aluno. A unidade recebe, além de pessoas com deficiência física, pessoas com transtornos mentais e síndromes, e ajusta sua técnica educacional e os materiais de estudo para as particularidades do aluno.
Para efetuar a matrícula e começar a estudar no Senac São José dos Campos, basta estar de acordo com os requisitos de escolaridade e/ou idade exigida para cada curso.
As práticas inclusivas adotadas pelo Senac São José dos Campos estão presentes em todas as unidades da rede Senac São Paulo e estendem-se aos seus funcionários. Em agosto deste ano, a instituição conquistou o 20 lugar na edição de 2018 do prêmio Melhores Empresas para Trabalhadores com Deficiência, promovido pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, em parceria com o Centro de Tecnologia e Inclusão.