Apenas 2% dos estudantes brasileiros são capazes de compreender textos longos

Durante a primeira semana de dezembro foram divulgados os dados de 2018 do Programa Internacional de Avaliação dos Estudantes (PISA), que avalia estudantes de 79 países. Neste ano, os resultados com relação ao Brasil são, no mínimo, preocupantes e mostram o quanto a educação do país está em dívida com seus cidadãos.

A avaliação foi feita com estudantes de 15 anos e em cerca de 638 escolas. Em 2018, o país obteve 413 pontos em leitura e interpretação, 384 pontos em matemática e 404 pontos em ciências humanas. Segundo análise, isso significa que apenas 2% dos estudantes brasileiros são capazes de compreender textos longos e entender a diferença entre um fato concreto e uma opinião.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que realiza a prova, revelou, também, que esses resultados foram influenciados principalmente pela desigualdade socioeconômica do país.

Dentre os países que realizaram o exame, o Brasil ficou no 57º lugar em relação a leitura e interpretação, na 70ª posição na área matemática e na 64ª posição nas ciências humanas. A situação no país em termos de educação é periclitante, e ainda há muito o que melhorar nesse âmbito.