Pelo resgate de espaços e vidas

AA História carrega lembranças de fatos importantes à humanidade e, afinal, como tudo tem um começo, aproveitamos esta data (26 de maio) para retomar um momento que se reflete por meio de um serviço essencial até os dias de hoje: do Corpo de Bombeiros.  Recordemos, a princípio, o que ocorreu em 1856, quando o Imperador Dom Pedro II assinou o decreto que instituiu o Corpo Provisório de Bombeiros da Corte, no Rio de Janeiro. Com o passar dos anos, o núcleo oficial do Corpo de Bombeiros foi se organizando e ganhando notoriedade. Em 1880, a Corporação passou a ter organização militar, além de seus postos e marca.  Trazendo o tema para a atualidade, não é difícil concluir que a participação da categoria que trabalha nesta área ainda é muito importante à sociedade. Muita gente não sabe, mas o trabalho exercido pelos bombeiros, que comemoram seu dia neste sábado, vai muito além de apagar e controlar incêndios. Eles se responsabilizam por atendimentos pré-hospitalares em caso de trauma, salvamentos em altura e meio líquido, além de atividades de busca e defesa civil.  Dados mais recentes do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo mostram que temos 9.045 profissionais atuantes no Estado, entre homens e mulheres que se dedicam ao atendimento a espaços e, principalmente, vidas humanas. No ano passado foram registrados 532.082 atendimentos gerais e 252.769 casos de socorro a vítimas, além de uma nova ocorrência a cada 59 segundos. O Corpo de Bombeiros de São Paulo recebe 15 mil ligações ao dia e 5,5 milhões por ano. Ainda há quem interrompa o serviço com os chamados “trotes”, que prejudicam o trabalho das equipes. Espera-se que em um futuro próximo a conscientização atinja a todos no sentido de parar com ligações desnecessárias, pois o caso real de um incêndio pode ser totalmente comprometido por uma simples “brincadeira”, que ultrapassa a vez de quem de fato precisa do serviço.