Desenvolvimento econômico do Alto Tietê é assegurado por meio de grandes obras viárias

Governo do Estado de São Paulo afirmou em visita à região que a obra viária terá o investimento total de cerca R$ 248 milhões

Condemat

Foi anunciado no dia 30 de outubro, pelo Governo do Estado, o investimento de R$ 248 milhões para o desenvolvimento da infraestrutura viária da região, com a duplicação e recuperação da Rodovia Alberto Hinoto (SP-056), na ligação entre Itaquaquecetuba e Arujá.

Como afirma o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), a obra será executada em um trecho de 9,4 quilômetros e a expectativa é que ela comece no primeiro semestre de 2021, com duração de 24 meses e geração de mais de 200 empregos diretos e indiretos. Além disso, o projeto também dará mais fluidez no trânsito e segurança para aos motoristas.

“É uma obra estruturante, que vai melhorar o trânsito numa via de fluxo intenso de veículos entre as cidades e marcar o desenvolvimento da nossa região. E que vem num momento importante de retomada da economia, com a geração de dezenas de empregos através da construção civil”, destacou o prefeito de Guararema e presidente do Condemat, Adriano Leite.

Durante o anúncio, que foi realizado em Itaquaquecetuba e contou também com a presença dos prefeitos de Itaquaquecetuba, Mamoru Nakashima, e de Arujá, José Luiz Monteiro, o vice-governador, Rodrigo Garcia, explicou que a obra está dividida em três lotes. “Não vai faltar dinheiro porque o Estado tem um convênio com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e peço para que os prefeitos e deputados cobrem a agilidade nessa obra de duplicação, que é uma prioridade para o Estado”, afirmou o vice-governador.

Durante a visita na região, também foi anunciado que o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) trabalha em um projeto alternativo para a Rodovia Mogi-Dutra, que está em duplicação entre as cidades de Mogi das Cruzes e Arujá e será entregue no final do ano sem as obras do trecho próximo à Rodovia SP-56, na chegada a Arujá, em razão de impasses na desapropriação de um imóvel.

A ideia, é que a maior parte da duplicação da Mogi-Dutra seja entregue em dezembro e a sua conclusão total seja realizada até março de 2022, com a execução do trecho pendente, de aproximadamente 1,5 quilômetros, num traçado alternativo ao do projeto original.

“Reconhecemos as dificuldades numa obra dessa dimensão no ponto de vista ambiental e de desapropriações. Mas todos os protagonistas deste projeto estão engajados em resolver isso porque essa é uma obra prioritária para a região e acreditamos que a proposta apresentada pelo governador em exercício é factível”, garantiu Adriano Leite.