Ano letivo tem retorno online nas escolas municipais de Mogi das Cruzes

Condições para a volta das aulas nas redes estadual e particular serão diferentes

A Secretária Municipal de Educação junto ao Comitê de Retomada Econômica de Mogi das Cruzes realizaram hoje uma coletiva de imprensa para divulgar como acontecerá o início do ano letivo na cidade e quais serão as medidas preventivas tomadas por conta do coronavírus.

A Prefeitura trabalha com uma equipe técnica especializada para avaliar ao longo dos dias qual será a melhor data para o retorno gradual das aulas presenciais na rede municipal.A previsão é que as aulas presenciais tenham início em março, no entanto, ao órgão reforçou que este fator depende do aumento de casos da Covid-19 e outros indicadores que serão analisados pela Brigada da Pandemia na Educação na região.

A vice-prefeita, Priscila Yamagami, afirmou que o caso dos alunos que sofreram com a defasagem no ensino por conta da pandemia será avaliado e serão tomadas as medidas necessárias para que essas crianças não sejam prejudicadas na vida escolar. O Comitê reforçou que permanece buscando o contato com todos os matriculados na rede de ensino, e busca alternativas para que nenhum aluno deixe de participar ativamente das aulas.

Os professores serão ouvidos e sua segurança priorizada, caso as aulas presenciais retornem, equipamentos de segurança como viseiras serão providenciadas pelo Executivo. Além disso, a possibilidade dos profissionais entrarem no grupo prioritário na campanha de vacinação ainda é estudada.

O Comitê reforça a importância do diálogo, e diz que continuará escutando a população e analisando os dados técnicos e de saúde pública para tomada de decisões.

Cronograma

Cerca de 3 dias antes do ano letivo começar a Prefeitura afirmou que será promovida uma reunião com os diretores das escolas nomeada de organização pedagógica administrativa, onde serão passadas as medidas adotadas para o retorno das aulas. Após o alinhamento com os gestores acontecerá um acolhimento afetivo (realizado de forma remota) para que possa ser feita uma integração tanto de professores quanto de pais e alunos.

Escolas particulares e estaduais

De acordo com o secretário adjunto de educação, Caio Callegari, com o apoio da Secretaria de Saúde e da Vigilância Sanitária, uma equipe especializada realizará vistorias técnicas nas redes particulares e estaduais para avaliar a estrutura de segurança que as escolas podem oferecer caso optem pelo método de ensino híbrido. Mesmo que aprovada, as instituições devem funcionar com 30% da capacidade total.