Alto Tietê opta pela não antecipação de feriados

O atraso no andamento de licitações importantes e o aumento nos custos de horas extras com equipes de vacinação foram pontos decisivos

Consórcio de Desenvolvimento do Alto Tietê

As cidades do Alto Tietê, junto a outros municípios que compõem o Condemat - Consórcio de Desenvolvimento do Alto Tietê, definiram de forma consensual que não vão aderir à antecipação dos feriados, como foi feito na Capital e em outras regiões do Estado.

O atraso no andamento de licitações importantes, o aumento nos custos de horas extras com equipes de vacinação e outros serviços públicos e os prejuízos nas agendas de procedimentos médicos da população foram alguns dos argumentos que levaram os prefeitos a optarem pela não antecipação.

Durante a assembleia os prefeitos pontuaram ainda que como os municípios já estão seguindo a Fase Emergencial do Plano São Paulo, que restringe a abertura de comércios e serviços, bem como determina o trabalho remoto para diversas atividades profissionais, a decretação de feriados não reduziria a circulação de pessoas nas ruas considerando que as indústrias vão manter o funcionamento, assim como as unidades bancárias e lotéricas.

"Os prefeitos conversaram com suas equipes técnicas e chegaram à um consenso levando em consideração vários fatores que apontam que a antecipação dos feriados não surtiria o efeito desejado e poderia implicar também em outros problemas como atraso em procedimentos administrativos importantes como aquisição de insumos para o enfrentamento à pandemia; a desaceleração das campanhas de vacinação, com a redução de profissionais; além de problemas com o transporte público, que em dias de feriado tem a frota reduzida", destacou o secretário executivo do consórcio, Adriano Leite.

O impacto de visitantes nas cidades com características turísticas, como é o caso de Biritiba Mirim, Guararema, Salesópolis, Santa Branca e Santa Isabel também foram considerados.

"Com o mega feriado já anunciado na capital e demais regiões, os municípios devem reforçar ainda mais a fiscalização e barreiras sanitárias para controlar entrada de visitantes, bem como encontros e eventos em unidades particulares que gerem aglomeração", reforçou o secretário.

Com a decisão, as cidades seguem funcionando normalmente, com exceção do dia 2 de abril, feriado nacional da Paixão de Cristo.