Deputados e lideranças da região lutam contra cobrança de pedágio na Mogi-Dutra 

Marco Bertaiolli, André do Prado, Marcos Damásio e o próprio prefeito Caio Cunha estão juntos nesta luta desde 2019 

Divulgação

Desde o anúncio da cobrança de pedágio na Rodovia Mogi-Dutra (SP-88) por parte da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), em 2019, Mogi das Cruzes vive o drama da insatisfação de políticos, empresários e moradores do município.  Para demonstrar toda a indignação contra os prejuízos econômicos que a cobrança da tarifa trará à região, o próprio prefeito Caio Cunha esteve numa manifestação contra a decisão que ele chama de "absurda". O ato contou com a presença de deputados federais e estaduais e outras lideranças políticas do Alto Tietê. 

Em maio deste ano, a Prefeitura de Mogi ingressou, por meio da Procuradoria Geral do Município, com uma ação judicial questionando a instalação da praça de pedágio na Rodovia Mogi-Dutra e demais obras previstas no processo licitatório. 

A sessão pública de entrega dos envelopes para licitação está marcada para o dia 15 de setembro, às 14 horas, no Centro de São Paulo.

Deputados   

Nessa batalha desde que foi anunciada a audiência pública em 2019, o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD) disse que a cobrança de pedágio na rodovia não se justifica, pois, segundo ele, ela não necessita de investimentos ou melhorias. “Essa rodovia foi construída pela Prefeitura, com recursos dos mogianos!” 

O deputado também realizou audiência com os vereadores da cidade e vem participando, desde 2020, de reuniões com o vice-governador, Rodrigo Garcia, destacado pelo governador Doria para cuidar desse assunto junto à Artesp, e também com líderes do Movimento Pedágio Não.

Nesta semana, o Bertaiolli participou, junto ao prefeito Caio Cunha, de uma reunião virtual com o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), Renato Martins Costa. Na ocasião, a Prefeitura apresentou um pedido de suspensão do edital do Governo do Estado lançado para a concessão das rodovias litorâneas, que prevê o pedágio na Mogi-Dutra, Mogi-Bertioga e em outras estradas. "Esta é uma proposta esdrúxula e sem cabimento por todos os aspectos já citados", disse ele.

Em contato com os membros do governo, o deputado estadual Marcos Damásio disse que esse pedágio na Mogi-Dutra será "muito prejudicial" à economia da região. "O governo reluta em abrir mão do dispositivo, apesar de já ter proposto alguns estudos para mudanças", avaliou. “Desde o início me posicionei contra essa medida”, disse o deputado estadual André do Prado (PL). Já tratei dessa questão com o vice-governador Rodrigo Garcia, no Palácio dos Bandeirantes, e expus os problemas que essa medida poderá causar para toda a região do Alto Tietê. “Estamos unidos para que esse projeto não prospere.”