APAE de Mogi apresenta reforma de baias na Semana da Equoterapia

Agora o espaço conta com cinco baias e cada uma tem uma área de piquete, onde os equinos passam o dia no verão

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Mogi das Cruzes

A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Mogi das Cruzes apresentou, na última quinta-feira (12), as novas acomodações dos quatro cavalos utilizados na Equoterapia, no Núcleo Rural da instituição. No dia 9 de agosto foi comemorado o Dia Nacional da Equoterapia, instituído pela lei 12.067/2009.

A construção das baias é o resultado de dois eventos solidários realizados há um ano em prol da instituição: a Live (em 1º de agosto de 2020), e uma Vakinha, que contou com a colaboração de dezenas de voluntários.

A baia que existia era uma construção antiga e feita em madeira. O coordenador do Núcelo Rural, Paulo Henrique dos Santos Prado, explica o que foi feito no espaço: "Praticamente, tudo!. Colocamos a antiga construção no chão e refizemos tudo, desde a parte de alvenaria e telhado, até as elétricas e hidráulicas". O espaço conta, agora, com cinco baias e cada uma tem uma área de piquete, onde os equinos passam o dia no verão.

Os cavalos utilizados na Equoterapia são: o Mumuzinho, de 3 anos e meio; o Patatá, de 24 anos; o Apache, de 8 anos, e a Chayenne, de 8 anos. Eles prestam assistência a 116 assistidos da APAE da cidade, 30 crianças do projeto Reabilitação através da Equoterapia e para um grupo de pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

O serviço de Equoterapia é oferecido na associação desde 2004, e foi pioneiro para a época. "Manter um projeto como este não é barato, pois contamos com uma assistência diferenciada e uma estrutura excelente para proporcionar mais qualidade de vida aos assistidos que precisam desta terapia, além de profissionais capacitados para trabalhar com essas crianças.", afirma a diretora pedagógica da APAE de Mogi das Cruzes, Ana Paula Nogaroto, que também já foi coordenadora do Núcleo Rural.