Novos casos envolvendo cédulas falsas são registrados em Guararema

Três casos de comerciantes que receberam cédulas falsas em lojas da cidade foram registrados nesta semana

Randal Savino/ O Novo

Nesta terça-feira (8), duas mulheres foram detidas em Guararema por portarem R$ 2.700 em notas falsas, informou a Polícia Militar. Ao todo, foram apreendidas 27 cédulas falsas de R$ 100.

Os policiais encontraram o veículo em uma das ruas da cidade, deixando outro comércio. As mulheres foram encaminhadas ao Distrito Policial, onde o delegado deu voz de prisão.

De acordo com o boletim de ocorrência, as mulheres foram até uma sorveteria da cidade, escolheram seus produtos e ao passar no caixa, elas entregaram uma cédula de R$ 100 falsa a funcionária do estabelecimento que desconfiou da veracidade da nota. Ao serem questionadas, as suspeitas disseram que haviam acabado de sacar a cédula em um caixa eletrônico, depois elas se retiraram da sorveteria levando a nota consigo e deixando os sorvetes no balcão.

Na última semana, as mulheres também agiram em outros estabelecimentos de Guararema. No dia 1º, uma delas foi até uma loja de brinquedos e fez uma compra de R$ 30, a vendedora devolveu o troco referente ao valor de compra, mas só percebeu que a cédula de cem reais era falsa depois que a suspeita saiu do estabelecimento.

Na quarta-feira (2), uma mulher foi até uma loja de roupas íntimas e comprou um sutiã no valor de R$ 31. A vendedora, sem verificar a veracidade da nota de R$ 100, devolveu o troco de e viu a cliente entrar em um carro preto após deixar a loja. Só no dia seguinte a vítima percebeu que havia recebido uma nota falsa.

Em agosto deste ano, um homem comprou dois picolés de R$ 5 na mesma sorveteria e pagou os produtos com uma única nota de cem reais. A funcionária do estabelecimento só percebeu que a nota era falsa após a saída do homem. Não há indícios de que o homem tenha envolvimento com as suspeitas detidas nesta semana.

Todos os casos relatados acima foram registrados na delegacia nesta quarta-feira (9), após a divulgação da prisão das mulheres na última terça-feira (8). Ao serem questionadas sobre a origem das notas falsas, uma delas informou que recebeu as notas como o pagamento de uma venda que ela havia feito. Para não ficar no prejuízo, a mulher convidou sua funcionária para ajudar a repassar as notas falsas no comércio de guararema, o troco recebido nas compras era repartido entre as duas.

Ainda segundo a polícia, uma das mulheres disse que escolheu Guararema para repassar as notas, pois pensou que não seria pega na ação criminosa.

Segundo o relato dos policiais, foram acionados via Central de Monitoramento durante uma patrulha pela região. O chamado pedia vistoria de um veículo, cujo as ocupantes teriam utilizados cédulas falsas em um estabelecimento na segunda-feira (7).