Materiais escolares devem conter o Selo do Inmetro para garantir a segurança da compra

O Instituto de Pesos e Medidas instrui que os consumidores guardem a nota fiscal do produto, que é a comprovação de sua origem

IPEM

Com o retorno das aulas em Guararema e diretrizes que preveem a volta nas demais cidades entre fevereiro e março de 2021, o Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo soltou uma nota que reforça medidas para garantir a segurança dos materiais escolares destinados a alunos de diversas faixas etárias.

O principal fator que deve ser notado pelos pais é o Selo do Inmetro, que atesta a qualidade e garante que os produtos não tenham alta toxicidade, presença de bordas cortantes ou partes pequenas que podem ser engolidas. Além disso, é importante não comprar artigos escolares em comércio informal, pois não há garantia de procedência e tais produtos podem não atender às condições mínimas de segurança.

Ao todo, 25 itens integram a lista de artigos escolares que obrigatoriamente necessitam do selo, e por isso são fiscalizados, entre eles: apontador, borracha, caneta esferográfica/roller/gel, caneta hidrográfica (hidrocor), cola (líquida ou sólida), corretor adesivo, corretor em tinta, compasso, curva francesa, estojo, esquadro, giz de cera, lápis (preto ou grafite), lápis de cor, lapiseira, marcador de texto, massa de modelar, massa plástica, normógrafo, ponteira de borracha, régua, transferidor, merendeira/lancheira com ou sem seus acessórios, pasta com aba elástica, tesoura de ponta redonda e tinta (guache, nanquim, pintura a dedo plástica, aquarela). 

“Guarde a nota fiscal do produto: ela é sua comprovação de origem do produto e recebê-la é seu direito como consumidor”, informa ainda o Instituto de Pesos e Medidas.

Caso encontre produtos sem o selo no mercado formal, faça sua denúncia pelo telefone: 0800 013 05 22 (segunda a sexta-feira, das 8h às 17h) ou no e-mail [email protected].