Personalidades comentam sobre o julgamento do ex-presidente Lula

Nesta quarta-feira, 4, o Supremo Tribunal Federal retornou o julgamento que pedia habeas corpus preventivo, apresentado pela defesa de Lula; por 6 votos contra 5 o Supremo rejeitou o pedido de HC

Divulgação

 

"O julgamento obedeceu os parâmetros legais da Constituição Federal"
Fernando Freire

"Eu lamento o que ele fez como presidente, os crimes cometidos"
Izaías Santana

 

"Acho que deve vigorar a condenação em segunda instância- prisão"
Dirceu Mascarenhas

Nesta quarta-feira, 4, o Supremo Tribunal Federal retomou o julgamento que pedia habeas corpus preventivo, apresentado pela defesa do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.
Foram mais de dez horas de julgamento, no qual por um resultado de 6 votos contra 5 o Supremo rejeitou o pedido de HC para evitar prisão de Lula, após condenação em segunda instância.
À redação, personalidades opinaram sobre o assunto.
O advogado Fernando Freire, de Guararema, apontou que o julgamento obedeceu os parâmetros legais da Constituição Federal, bem como o entendimento, já pacificado, do STF que autoriza a execução antecipada da prisão após encerrados os recursos em segunda instância.
Segundo Fernando Freire, a prisão advém do flagrante delito ou da ordem fundada e escrita de uma autoridade judiciária, não sendo necessário o esgotamento dos recursos existentes para a decretação da prisão no direito brasileiro.
Izaias Santana, prefeito de Jacareí, diz que lamenta a situação. “Eu acho que a gente tem que lamentar por alguém que é eleito pelo povo e não atua nos limites impostos pela constituição e pela lei, eu não lamento nem a condenação nem a prisão do Lula, mas o que ele fez como presidente, os crimes cometidos que se acumulam e que obrigatoriamente a sociedade tem que dar resposta", afirma.
José Henrique Caldas Vianna, empresário de Jacareí, alega: “os ministros votaram de acordo sua consciência e fatos abordados nos autos. Eles estão lá pra fazer papel deles. São guardiões da Lei, que têm função de exemplo e lisura”. 
Segundo o advogado Dirceu Mascarenhas, também de Jacareí, foi importante o HC de Lula ter sido rejeitado pois senão seria considerado o seguinte: “o Supremo determinou que ninguém pode ser preso por condenação em segunda instância, ou seja, libera todas as condenações”.
Na  noite de quinta-feira, 5, a defesa do ex-presidente entrou com novo pedido de habeas corpus para evitar que Lula seja preso.
 

"Os ministros são guardiões da Lei, com função de exemplo"