Disparo do preço da carne reflete nos estabelecimentos em Guararema

O aumento das exportações para a China foi atingida por causa da peste africana, doença hemorrágica contagiosa provocada por um vírus que só atinge porcos

Divulgação

Os Os amantes de carne já devem estar sentindo no bolso o aumento no preço da carne, que deve manter alta até o início de 2020. Entre os motivos, há fatores relativos ao mercado externo e ao interno. Os estabelecimentos de Guararema têm sentindo o aumento no valor do produto em até 35%. O Novo conversou com alguns comerciantes da região e a principal dica é estocar os produtos que a população deseja consumir até o final do ano. 
O aumento das exportações para a China foi atingida por causa da peste africana, doença hemorrágica contagiosa provocada por um vírus que só atinge porcos. Entre 2018 e 2019, a China aumentou em 54% a importação de carne bovina, em 40%, de suína, e em 48%, de frango. 
O açougue do supermercado do Georges Antônio Jreige Neto funciona normalmente, mas o preço dos produtos deu uma disparada, de 20% em até 30%, tanto as carnes bovinas, suínas quanto as aves, apenas os peixes não aumentaram o valor. 
"A venda dos suínos e das aves é de acordo com a demanda, já que acabou a venda da bovina, as pessoas partem para as carnes similares. Durante essa semana veio reajuste para gente, as aves também sofrem o aumento", disse. 
Georges afirmou que a tendência é essa até o final do ano e que não há perspectiva de abaixar os valores. E ressaltou a importância dá população estocar alguns produtos para custo benefício. "As pessoas vão migrar para outras misturas como linguiça, salsicha e com certeza vai aumentar também o valor dos embutidos. Para o final do ano, se a pessoa quiser estocar é o mais indicado", finalizou. 
O Irineu Monteiro que também tem um supermercado na região disse que o seu estabelecimento está funcionando normalmente tirando que as carnes subiram em média de 30% a 35%.
Eliseu Nogueira Firvêda, responsável por um restaurante em Guararema, citou que o aumento do boi gordo já vinha subindo e que normalmente no final do ano realmente acontece esse reajuste por causa do aumento do consumo dos produtos. 
Eliseu ressaltou que em setembro a arroba do boi em São Paulo estava em R$ 152/@, hoje o "boi casado", que é o boi inteiro que vai para os frigoríficos está saindo por 230/@. Uma arroba equivale a 15 quilos, 230/@ já chega a R$ 15/kg hoje para vender para o frigorífico. O frigorífico necessita manipular a carne para revender, uma carne básica já chega no ponto de venda por R$ 23, 24.
"Eu aumento os preços do cardápio no fim do ano porque a carne aumenta o valor e também tem o décimo terceiro, fundo de garantia, que dá aquele impacto no preço dos pratos. No mês de novembro vem aumento do salário dos funcionários da cozinha também. Geralmente eu subo para 5%, mas com esse reajuste na carne eu vou tentar subir um pouco mais o valor, não sei se vou conseguir manter a mesma porcentagem", contou. 
O Brasil já importou 318.918 toneladas de carne bovina, 184.393 toneladas de carne suína, 448.833 toneladas de carne de frango, em transações que totalizaram mais de U$ 3 bilhões, segundo estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio Brasileiro (Agrostat).