Investigação que apura irregularidades em compras públicas acontece em Mogi das Cruzes

Possíveis crimes são relacionados as compras feitas pela Prefeitura de Mogi das Cruzes para o enfrentamento à pandemia de Covid-19

divulgação

Na quarta-feira, dia 5, foi iniciada a Operação “Mercador da Morte”, que apura irregularidades relacionadas as contratações e compras públicas emergenciais realizadas pela Prefeitura de Mogi das Cruzes para o enfrentamento à pandemia de Covid-19. As investigações são conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, com apoio da Polícia Militar e do Ministério Público de Contas

Segundo informações divulgadas pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, foram cumpridos 16 mandados de busca que objetivam a análise dos contratos feitos pelo município, sem licitação, para contratação de uma empresa que construísse 600 jazigos nos quais foram gastos R$ 1.223.021,59, e para o fornecimento de 540 unidades de álcool em gel de 5 litros adquiridos por R$ 97.050,00. Os valores apresentam indícios de irregularidade, direcionamento e sobrepreço.

Em nota, a Prefeitura de Mogi das Cruzes esclarece que: “No dia de hoje, atendeu solicitação do Gaeco do Ministério Público de São Paulo para ceder cópias de processos administrativos para averiguações. Vale ressaltar que tais processos sempre estiveram disponíveis no portal da Transparência da Prefeitura”.

Ainda sobre o assunto, o poder executivo da cidade esclarece que tem como prática a transparência, além da correção de suas ações e que aguarda acesso aos autos do processo para que possa prestar mais informações para a imprensa.